Wednesday, September 20, 2006

Do que não tenho certeza

nem sei se queria esse presente
desejado,
desencadeio contradições se
rasgo a fita que o envolve,
todos o almejam
e o festejam,
não sei se o queria
exatamente a ele
ou a sua fita que se amarra em mim
antes que eu o entreabra
e comece a pensar
da maneira que esperavam de mim,
não quero essa oferta
incensada e ancestral
mas, agora passou o momento
de devolução.

Dora Vilela

http://pretensoscoloquios.zip.net/index.html
...

3 comments:

Ademir Antônio Bacca said...

Wilson,

fique à vontade com os meus poemas
grande abraço

Nilson Barcelli said...

Olá Wilson,
Pode publicar os poemas meus que entender. Não tinha vindo ainda a este seu blog (só conheço o outro), mas pelo que vi, você coloca sempre a referência do autor, condição que eu também coloco.
Para além disso gostaria de ser avisado aquando da publicação para ver qual foi a sua escolha.

Estive a ler alguns poemas e vi que o Wilson fez uma boa selecção. Parabéns.
Um abraço.

Vicente Siqueira said...

Oi, Poeta.
Hummmmm.
Dora Vilela falando do que não tem certeza.
Será que realmente passou o momento da devolução? Não tenho certeza.
Doces pra ela e pra você.
Vicente