Wednesday, January 10, 2007

Molhado ou seco

No saibro rosado joga-se um ponto
Que cresce, transforma-se em dois.
Não se sabe se é molhado ou seco
Miúdas vagens de pequenos sóis.

A ferrugem pinta o trilho de marrom
Invadindo a textura da hora e do dia
Lamento longo de um homem pouco pintado
Que não se lembra mais para onde ia.

PHYLOS

http://quintaldaruaacre.blogspot.com/
...

1 comment:

Eliane Alcântara. said...

Wilson, obrigada pela visita e pelo
convite. Claro que pode pegar um de
meus poemas.
Fico feliz que tenha gostado : )
Desculpe a demora para aparecer, mas
férias algumas vezes são feras... rs*
Saio hoje, volto em fevereiro.
Conhecia o seu outro blog (através do Touché). Parabéns.
Beijos!