Monday, November 19, 2007

Alguns poemas de Vieira Calado:

POEMA ÀS PALAVRAS

Há sempre uma palavra dentro da palavra
um gesto por exemplo
ou o zumbir dum insecto a
levantar o vento morto

Traz uma mensagem fugidia uma essência
que luz ao ritmo do tumulto da claridade
só perceptível pelos reflexos da própria luz
transparente interior das coisas

A sua transcendência identifica o fogo
o perfil exterior e seus artifícios intemporais

E apenas se lê em sinais indicativos
de virtuosos alquimistas procurando o oiro
na flecha no círculo dum arco íris caindo
magnânimo sobre o cinzento da terra

***

POEMA AO PÓ

A redescoberta que é ver o pó, cheirar o pó,
cheirar a pó. É um rumor inerte, um retrato
tangível de outras memórias perfurantes,
um vazio entre azuis e baços no chão da terra
gritando segredos abatidos ao silêncio ileso.

Praticar a ciência do pó é viajar pelos gelos
da montanha, um texto insondável de signos
sobre a água, reminiscência doutras águas
de apenas a cognição nua, virgem, das fontes

é desvendar a erosão, o murmúrio de colunas
gregas, efémeras, a inocente exaltação das aves
assim que o sol reacende a festa inadiável

e contemplar uma indústria sem nome e sem data,
sem prólogo, divina, puríssima, demoníaca.

***

POEMA À MIRAGEM

Este dia é apenas uma miragem
restos de sombras, sombra.

Dos seus beirais caiem fugidias ruas
em estilhaços sobre o lancil da luz,
pedaços de memórias, ruínas
de palavras nunca ditas.

Tudo é silêncio e névoa
nas grandes viagens transcendentais
ao coração matinal dos pássaros, à núbil
ciência abstracta dos insectos.

Imagem que se desfaz em imagens
de pólen, circunscrito a um lugar
cada vez mais longínquo

que se ateia e logo morre
em nossas mãos.

***

O EDIFÍCIO DAS PALAVRAS

O edifício das palavras,
o projecto inerente à ideia
e aos degraus da leitura,

o processo linear dos sons
e dos afectos

um pouco de embriaguês
para questionar as sombras e a luz

eis a explosão programada

o poema

a desobediência aos mistérios
no desassossego e na emoção
de dizer o indizível

à luz do dia.

***

QUANDO ME AUSENTAR

Quando me ausentar direi os nomes
de todas as essências, as cores inscritas
ao longo da estrada imóvel. Indulgente,
irei desenhando as formas do repouso,
o ouro e a prata do pôr do sol morrendo
sobre as árvores da montanha alta,
um redemoinho de pura água refazendo
em água o limbo deslizante do rio.

E gritarei a minha infinita gratidão
pela geometria das distâncias vãs
que alentaram o meu sangue para o vazio
que enche de ar, o ar que respiramos.

Vieira Calado é poeta português autor (entre outros) dos livros de poesias: 37 poemas - Os Sinais da Terra - Poema para Hoje - Objecto Experimental - A Palavra em Duas - O Frio dos Dias - Como um Relógio de Areia - Poemas Primeiros (reedição) - Transparências - Lagos Ontem (2ª edição) - Por detrás das Palavras - Terrachã - Poemetos - Poemas Soltos & Dispersos.

2 comments:

Vieira Calado said...

Obrigado, amigo!
Vou registar que postou esses poemas. Estou a fazer uma escolha, entre os que assim foram dados a conhecer, para publicar
um livro "Soltos & Dispersos II"
que, tal como o I, é feito a partir de alguns inéditos, poemas revelados em blogs, ou publicados em livros colectivos ou antologias.
Um abração.

Anonymous said...

claimed the majority of people repayment their particular loans by the due date and additionally with out fees and penalties
A top personal debt good cause can possibly expect the sheer number of people today looking toward these products meant for enable above payday advance credit card bills for you to two-fold the. debt charity reveals available manipulate the particular short term, huge benefit loans the year 2010. The charity affirms a couple of years previously may be consumers with them was basically insignificant.
http://kredytybezbiku.biz.pl
dalej
kredyty bez bik
przeczytaj
szybkapozyczka.co.uk

http://pozyczki-prwatne.com.pl
http://kredytybezbik24.net.pl
http://pozyczki-prwatne.com.pl