Wednesday, October 04, 2006

Aviso

Mantenha-se longe de mim.
De meu rosto, meus olhos e cabelos,
de todos os meus destemperos.
Fuja para mais além.
Sou cortante, áspera, desregulada,
insidiosa como as ervas do jardim.
Afaste-se, encubra o seu sorriso,
dê-me as costas antes do final.
Posso arranhar o verniz que o reveste,
manchar de vermelho seus instantes sem cor.
E arrastá-lo, quase morto, por meus abismos particulares
onde somente florescem
palavras.

Zingarah

http://lazingarah.blog.uol.com.br//index.html
...

5 comments:

Mary said...

É delicioso vir aqui e ler belas e diferentes poesias! Gostei muito desta e irei visitar a autora! :)

E obrigada pela postagem do meu poema... Gosto muito deste que tu escolheste!

Um beijo!

Jéssica said...

Muito lindo!

diovvani mendonça said...

Seu OlhObservadOr continua afiado, revelando o que há por baixo do verniz. Abraço das montanhas Gerais.

Leandro Jardim said...

Hmmm que beleza!
Um Jardim de palavras sem tais ervas daninhas...

...acho que sei do que está falando!

abs

Fabio Rocha said...

Pode usar meus poemas sim, obrigado. Só peço que deixe um link para meu site www.fabiorocha.com.br Abraços