Sunday, January 21, 2007

das tragédias

Na desertidão abafada
No silêncio suspenso do depois da catástrofe
Vê: a silhueta ao longe
o poeta ainda anda
por entre os escombros
se abaixa
cata estrofes
e vai se curvando
com seu peso nos ombros.

czarina

http://sabedoriadeimproviso.wordpress.com
...

4 comments:

czá said...

:) valeu por escolher um poema meu! :*

diovvani said...

Belo!!! Os poetas também catam, poesia nos silêncios entre-linhas.
AbraçoDasGerais.

Anonymous said...
This comment has been removed by a blog administrator.
Eliane Alcântara. said...

Wilson, estive ausente.
Devagar retorno.
Obrigada pela postagem do meu poema (13/01).
"Das tragédias", é um belo poema.
Parabéns ao autor e, a você pela escolha.
Ótimo início de semana. Beijos!